arqui]vos de antropo[logia

[B 3, 4]

Nenhum tipo de imortalização é tão perturbador quanto o do efêmero e das formas da moda que nos reservam os museus de cera. E quem um dia as viu, terá se apaixonado, como André Breton, pela figura feminina do Musée Grévin que ajeita sua liga no canto de um camarote. (Nadja, Paris, 1928, p. 199.)

nota[s] do[s] editor[es]
[J.L.] André Breton, Nadja, Paris, Gallimard, 1980, p. 179.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *