arqui]vos de antropo[logia

[B / 2]

Nada morre, tudo se transforma.

Honoré de Balzac, Pensées, Sujets, Fragments, Paris, 1910, P. 46

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *