arqui]vos de antropo[logia

[O 9, –]

[O 9, 1]

“No começo do reinado de Luís Filipe, a opinião pública se pronunciou também [tal como hoje em dia, no que diz respeito à Bolsa] … contra os jogos de azar… A Câmara dos Deputados … votou pela sua supressão, embora o Estado tirasse deles rendimentos anuais de vinte milhões… No momento atual, em Paris, o jogo da Bolsa não proporciona ao governo sequer vinte milhões por ano; mas, em contrapartida, rende pelo menos cem milhões aos agentes de câmbio, aos corretores da coulisse e aos agiotas … que fazem reportes … elevando às vezes a taxa de juros acima de 20%. — Esses cem milhões são tomados de quatro a cinco mil jogadores pouco esclarecidos que, na tentativa de se explorarem mutuamente sem se conhecerem, se deixam despojar completamente.” (Pelos agentes de câmbio). M. J. Ducos (de Gondrin), Comment on se Ruine à la Bourse, Paris, 1858, pp. V- VI.

nota[s] do[s] editor[es]
[E/M] É preciso distinguir entre os agentes oficiais de cámbio (agents de change) e os corretores não autorizados (courtiers). Enquanto aqueles trabalham na Bolsa, estes fazem seus negócios no espaço em volta dela, na chamada coulisse. Cf. William Parker, The Paris Bourse and French Finance, Nova York, Columbia University Press, p. 26. Ver também A 2, 11, A 7a, 5 e g 3, 2.


[O 9, 2]

A Bolsa de Valores funcionou durante a Revolução de Julho como hospital e fábrica de munição. Para a fabricação dos cartuchos empregaram-se prisioneiros. Cf. Tricotel, Esquisse de Quelques Scènes de l’Intérieur de la Bourse, Paris, 1830. Ela também serviu como casa- forte. Ali foi depositada a prataria roubada nas Tulherias.


[O 9, 3]

Havia xales que demandavam 25 ou mesmo 30 dias de trabalho.


[O 9, 4]

Rey argumenta a favor das caxemiras francesas. Elas têm, entre outras vantagens, a de serem novas. Não é o caso dos xales indianos. “Preciso falar de todas as festas galantes de que elas foram testemunhas, de todas as cenas voluptuosas, para não dizer mais, em que serviram de véu? Nossas sensatas e modestas francesas ficariam um pouco mais que confusas se viessem a conhecer os antecedentes do xale que lhes traz a felicidade!” De qualquer modo, o autor não quer endossar a opinião de que todos os xales já teriam sido usados na Índia, uma afirmação que seria tão falsa como a “que pretende que o chá já tenha servido para infusão antes de sair da China.” J. Rey, Études pour Servir à l’Histoire des Châles, Paris, 1823, pp. 226-227.


[O 9, 5]

Os primeiros xales aparecem na França em conseqüência da campanha do Egito.

nota[s] do[s] editor[es]
[E/M] A campanha do Egito, sob Napoleão I, ocorreu em 1798-1799.


[O 9, 6]

Vamos, minhas irmãs, marchemos noite e dia;
A qualquer hora, a qualquer preço, é preciso fazer amor,
É preciso, aqui embaixo o destino nos colocou
Para proteger o lar e as mulheres honestas.

Barbier, Satires et Poèmes: Lazare, Paris, 1837, p. 271 (cit. em Liefde, Le Saint-Simonisme dans la Poésie Française (entre 1825 et 1865), Haarlem, 1927, p. 125).


[O 9, 7]

Na seção XVI do Spleen de Paris, “L’horloge”, encontra-se o conceito de tempo com o qual deve ser confrontado o do jogador.


[O 9, 8]

A respeito da influência da moda sobre o erotismo, uma boa observação de Eduard Fuchs (Die Karikatur der europäischen Völker, vol. II, Munique, 1921, p. 152): “Uma dama do Segundo Império não diz: ‘eu o amo’, mas sim: j’ai un caprice pour lui [tenho um capricho por ele].”