arqui]vos de antropo[logia

[K 5a, 5]

A Paris noturna em L’Homme Qui Rit. “O pequeno errante sentia a paixão indefinível da cidade adormecida. Esses silêncios de formigueiros paralisados emanam vertigem. Todas essas letargias misturam seus pesadelos, esses sonos são uma multidão.” Cit. em R. Caillois, “Paris, mythe moderne”, Nouvelle Revue Française, XXV, n° 284, 1 maio 1937, P. 691.

nota[s] do[s] editor[es]
[E/M; w.b.] [L’Homme Qui Rit] Romance escrito por Victor Hugo entre 1866 e 1868.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *