arqui]vos de antropo[logia

[S / 3]

Penas eternas,
E sempre novas,
Escondei bem dos corações
Todos os vossos terrores.

Cantiga do diabo; ele a entoa enquanto transforma uma desolada paisagem rochosa em um boudoir.
Hippolyte Lucas e Eugene Barre, Le Ciel et l’Enfer: Féerie, Paris, 1853, p. 88.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *